24 de nov de 2010

Romanov

     Há algum tempo, Deni Rogê, seguidor do blog, mandou um comentário em uma postagem falando que eu deveria pesquisar sobre a dinastia Romanov, que segundo ele era um assunto interessante e ainda me disse que o filme que eu morria de medo quando pequena era inspirado nesses fatos reais, entáo fui pesquisar sobre o assunto e vi que era realmente muito interessante, por isso decidi postar no blog.

     A Casa Romanov é uma família nobre russa, tendo sido a segunda e última dinastia imperal que governou a Moscóvia e o Império Russo. Governaram por oito gerações entre 1613 e 1762. Entre 1762 e 1917, a Rússia foi governada por uma ramificação da família Oldenburgo, que mantiveram o sobrenome Romanov e seus descendentes continuam utilizando o sobrenome atualmente.
     A origem dos Romanov remonta a 12 outras nobres famílias russas cujo ancestral comum é Andrei Kobila, atestado como um boiardo a serviço de Simão I da Rússia. Após uma assemblei nacional de nobres realizada em 21 de fevereiro de 1613, em função de uma doença mental que o filho do último imperador tinha, Miguel Romanov foi nomeado czar da Rússia e desde então a família Romanov passou a ser a soberana de toda a extenção da Moscóvia e do Império Russo.
     Em março de 1917 (no caléndário ocidental), ocorreu a Revolução de Fevereiro, primeira fase da Revolução Russa de 1917. Ela teve como resultado imediato a abdicação do Czar Nicolau II, e ocorreu pela insatisfação do povo russo com o governo czarista e a participação do país na Primeira Guerra Mundial.
     De março de 1917 a julho de 1918, todo o fantástico poder que Nicolau II possuía esboroou-se, desabando como se fora um castelo de cartas. Foi então que os Romanov (o czar Nicolau, a czarina Alexandra, as quatro filhas, as Grã-duquesas Olga, Tatiana, Maria e Anastácia, e o czarevich Alexei) e quatro funcionários da família foram assassinados pelo comando do bolchevique Yakov Yurovski (1878-1938), chefe da Tchéca local, em 17 de julho de 1918.
      Houveram muitos boatos que diziam que Anastásia Romanov ainda estaria viva, estes rumores foram ajudados por relatórios posteriores de comboios e casas revistados por soldados Bolcheviques e pela polícia secreta, à procura de "Anastásia Romanova".
     Estranhamente, também houve relatos de uma mulher que dizia ser filha do czar ser encontrada a pedir ajuda nas pequenas vilas à volta de Ekaterimburgo. Ela alegava ter estado nas mãos de guardas que a tinham salvo após o massacre, mas que também a tinham espancado e violado. Pouco depois, diz-se que ela desapareceu.
     Em 1991, corpos acreditados como sendo os da Família Imperial e os seus servos foram finalmente desenterados de uma sepultura maciça que tinha sido descoberta nos bosques próximos a de Ekaterimburgo quase uma década antes, uma sepultura escondida pelos seus descobridores dos Bolcheviques que governavam a Rússia quando foi encontrada. Uma vez aberta, foi descoberto que em vez de onze conjuntos de restos, a sepultura só tinha nove.
     Segundo o especialista forense Dr. William Maples, Alexei e Anastásia, não estavam na sepultura da família. Contudo, cientistas Russos contestaram isto, alegando que a Grã-duquesa Maria Nikolaevna Romanov era a que não estava na sepultura.

0 comentários:

Postar um comentário

- Para evitar que seu comentário venha a ser excluído, leia a política de comentários do blog.
- Antes de fazer uma pergunta dê uma olhada na página de FAQ para ver se sua pergunta já não foi respondida lá.

Obrigada por comentar. Saber que minhas postagens são valorizadas por outras pessoas é o que me faz continuar com o blog