23 de jan de 2011

A separação dos Beatles

     Como já tinha avisado não pude escrever ontem, mas estou de volta. Depois de ir para o casamento, ter um acidente com neon e depois descubrir que neon não é tóxico então está tudo bem, fui para o aniversário da minha prima caçula hoje de manhã e lá estava minha outra prima Melissa, aquela que está sempre por aqui, e depois de conversarmos sobre o sucesso da postagem sobre Mensagens Subliminares, que teve várias visualizações nesses poucos dias em que está aí, ficamos pensando em um assunto para falar no blog hoje, e chegamos ao assunto da separação dos Beatles, banda que nós duas gostamos muito.

     Em janeiro de 1969, a banda realizou sua última apresentação ao vivo, no último andar do edifício da gravadora Apple, em Londres. O show foi gravado e incluído posteriormente no filme Let It Be. Neste mesmo ano o grupo gravou o álbum Abbey Road, encerrado em 20 de agosto. Um mês depois, John Lennon comunicou ao restante do grupo sua saída, mas não fez o anúncio publicamente. Em 10 de abril de 1970, Paul veio a público anunciar o fim dos Beatles.
     Todos se perguntam até hoje o que separou os quatro integrantes dos Beatles, há várias teorias, algumas até que podem mesmo ter acontecido, mas até agora ninguém sabe o que realmente aconteceu, entre essas teorias vou falar das mais famosas e que fazem mais sentido. 
     1º - Morte de Brian Epstein: Epstein (foto) foi indiscutivelmente o homem mais influente no lançamento e na promoção da popularidade do grupo no mundo inteiro. Por ser o empresário da banda, ele pôde manter o grupo reunido e mediar determinados conflitos que o quarteto viesse a desenvolver entre si, mantendo-se na postura de ser a última palavra, a última decisão. Quando morreu em 1967, deixou um vazio na banda. O americano que substituiu Epstein articulou uma aliança de John, Ringo e George contra Paul, porque ele preferia que o pai de sua noiva, o empresário Lee Eastman, cuidasse dos negócios do grupo. A partir daí, criou-se uma grande distância entre Paul e o resto do grupo.
     2º - George Harrison como compositor: Nos primeiros anos, Paul e John eram os únicos compositores da banda, enquanto que Ringo e George desempenhavam suas funções como baterista e guitarrista, respectivamente. No entanto, de 1965 adiante, as composições de Harrison ganharam maturidade e tornaram-se mais atraentes em suas qualidades. Gradualmente os outros membros reconheciam seu talento como compositor, mas cada vez mais George começou a se frustrar pelo fato da maioria de suas ideias e canções terem como fim a rejeição. Isso gerou confusão e, consecutivamente, desavenças, principalmente entre Lennon e McCartney.
     3º - Dificuldade em colaboração: De uma forma ou de outra, após o grupo parar de excursionar, cada um dos integrantes começaram a seguir comportamentos autônomos: enquanto McCartney via interesse no estilo pop e nas tendências da Grã-Bretanha e dos EUA, Lennon tendia à música introspectiva e experimental, enquanto que Harrison, por sua vez, estava cada vez mais entusiasmado com a música indiana, por terem viajado para a Índia. Então Paul começou a assumir o papel de líder dos projetos artísticos dos Beatles. Além de cada membro ter começado a desenvolver uma agenda cujos eventos exigiam cada vez mais individualidade – o que acabou comprometendo o grau de entusiasmo em conjunto – outro fator que contribuiu para a fragilidade da banda foi a evidente falta de acordo já existente na época de produção do "Álbum Branco".
     4º - Yoko Ono (foto): Essa é parte que acho mais interessante da separação dos Beatles, a influência da então viúva de John Lennon, porque não vou com a cara dela. Quando ela conheceu John disse para ele que nunca tinha ouvido falar dos Beatles. Como não conhecia os Beatles?! É claro que era mentira dela, ela vivia em plena Londres no auge de sucesso da banda, e John Lennon não pode ter acreditado, mas mesmo assim se casou com ela.
     Os dois artistas tiveram uma relação platônica até a primavera de 1968. Enquanto a esposa de Lennon, Cynthia, estava de férias, ele e Yoko lançaram uma fita que mais tarde seria lançada como a famosa (e polêmica) Unfinished Music No.1: Two Virgins. O acordo da banda era que suas namoradas ou esposas não interferissem nos estúdios, contudo, como a produção artística de Lennon cresceu sob influência de Yoko Ono, cada vez mais ele quis que ela entrasse nos processos de produção dos Beatles e, consecutivamente, ela passou a frequentar os estúdios de gravação. Ono não comentava nem dava sugestões no estúdio de gravação, o que parece ter aumentado as confusões entre ela e os três integrantes da banda.
     Ela é acusada por muitos fãs de ter "dividido os Beatles", enquanto que outros argumentam que a sua presença não era nenhum problema, e que os Beatles realmente se separaram pelas outras razões aqui citadas, eu por exemplo acho que ela atrapalhou bastante na relação da banda.
     5º - Situação empresarial: Outra coisa que agravou a situação da banda foi o fato de que, sem Epstein, eles procuraram empresários para geri-la, mas a tentativa desses empresários de estabelecer um controle sobre os Beatles falhou.

2 comentários:

Divã das Baforetes disse...

Oi Flor!!!

Olha eu sempre escutei muito os Beatles por causa de papai, mas acho q a separação é um assunto complicadissimo ha se discutir neh!!!


Bjss da Lud

Marcelly Rosa disse...

Eu tbm amo os beatles..!
Que pena Essa separação
Mais A fama segue né...!

estou seguindo
me segue tbm

Bjocas...!

M.R ♥
http://marcellyrosa.blogspot.com

Postar um comentário

- Para evitar que seu comentário venha a ser excluído, leia a política de comentários do blog.
- Antes de fazer uma pergunta dê uma olhada na página de FAQ para ver se sua pergunta já não foi respondida lá.

Obrigada por comentar. Saber que minhas postagens são valorizadas por outras pessoas é o que me faz continuar com o blog