25 de abr de 2011

Esclerose Múltipla

     Hoje um amigo meu me procurou e disse que o "amor de sua vida", Cláudia Rodrigues, estava se tratando de esclerose múltipla, e até tinha dado uma melhora agora, depois de falar o quanto amava a Cláudia e me mostrar a foto dela que ele carrega na carteira, me pediu que fizesse um post informando sobre o que é a esclerose múltipla, aqui no meu blog, e como eu gosto muuuito desse meu amigo, não posso negar isso a ele.

     A esclerose múltipla (EM) é uma doença neurológica crônica, de causa ainda desconhecida, com maior incidência em mulheres e pessoas brancas. É uma doença que afeta o cérebro e o cordão espinhal, que leva a uma destruição das bainhas de mielina que recobrem e isolam as fibras nervosas (estruturas do cérebro pertencentes ao Sistema Nervoso Central ou SNC).
     Muitas vezes, a fase inicial da esclerose múltipla é bastante sutil e está representada por sintomas transitórios que duram uma semana, cinco dias. Essas características fazem com que o paciente não dê importância às primeiras manifestações da doença que, na sua forma mais comum, é remitente-recorrente, ou seja, os sintomas vão e voltam e independem do tratamento.
    A pessoa pode passar dois ou três anos apresentando pequenos sintomas sensitivos, pequenas turvações da visão ou pequenas alterações no controle da urina sem dar importância a esses sinais porque em três ou quatro dias eles desaparecem e são atribuídos ao mau posicionamento do corpo durante o sono ou a um cisco que entrou no olho e turvou a visão, por exemplo.
     Não existe uma EM típica. A maioria das pessoas com essa doença poderá sofrer de mais do que um sintoma e, apesar de haver sintomas comuns a muitas pessoas, nenhuma irá ter todos eles. As manifestações da doença podem incluir sintomas como: Ataxia (os membros superiores e inferiores se movimentam e tremem involuntariamente); Movimentos irregulares dos olhos; Defeitos na pronunciação das palavras (disfasia); Neurite retrobulbar (inflamação do nervo óptico); Disfunção sexual e urinária; Depressão e dificuldades de memória; Espasmos musculares; Parestesia ou sinal de Lhermitte (sensação de "choques elétricos no pescoço).
     A fadiga é um sintoma muito frequente e bem conhecido da EM. Mas porque pode também ser um sinal de outras doenças, não é imediatamente identificado como sendo causado pela Esclerose Múltipla. A fadiga ocorre quer na EM em forma de surtos, quer nos tipos mais progressivos da doença.
     A esclerose múltipla não tem cura, mas várias terapias de tratamento mostraram ajudar nos sintomas da doença. O tratamento para EM busca o retorno das funções após um ataque, evitar novos ataques e prevenir a incapacitação. Como muitos tratamentos, a medicação possui efeitos colaterais e muitas terapias ainda estão sob investigação.

1 comentários:

Ivone Poemas disse...

FIQUEI MUITO TRISTE COM ESSA NOTICIA!
TOMARA QUE ELA POSSA CONVIVER BEM COM A DOENÇA E NÃO TENHA DE SOFRER MUITO, POIS É, HÁ TANTAS DORES QUE SE PUDÉSSEMOS TIRAR TODAS DO MUNDO FARÍAMOS, NÃO É MESMO?
VOCÊ É UMA MENINA LINDA E ADORÁVEL!!!
BEIJOS EM SEU CORAÇÃO!
IVONE POEMAS
HENRISTO.BLOGSPOT.COM

Postar um comentário

- Para evitar que seu comentário venha a ser excluído, leia a política de comentários do blog.
- Antes de fazer uma pergunta dê uma olhada na página de FAQ para ver se sua pergunta já não foi respondida lá.

Obrigada por comentar. Saber que minhas postagens são valorizadas por outras pessoas é o que me faz continuar com o blog