14 de fev de 2011

Os Casamentos de Henrique VIII - Parte 1

     Desde que fiz aquela postagem sobre a Reforma Religiosa, já que citei o anglicanismo, tive vontade de falar sobre Henrique VIII, esse Rei que para mim marcou bastante, não só pelo fato de adorar assistir The Tudors, mas o que me impressiona mesmo nesse homem é o quanto ele era mulherengo (pra não falar "galinha", né), por isso só irei falar dos casamentos dele.

     Em 1502, Artur, irmão mais velho de Henrique e até então rei da Inglaterra, faleceu com tuberculose. Em consequência disto, aos onze anos de idade, Henrique, Duque de York herdou o direito ao trono inglês, e como tal, pouco depois foi nomeado príncipe de Gales.
     Para que o novo Príncipe de Gales se casasse com a viúva do seu irmão, uma dispensa papal era normalmente necessária para anular o impedimento de afinidade porque, como disse no livro de Levítico: "Se um irmão casar com a mulher do irmão, eles não terão filhos". Catarina jurou que o seu casamento com o príncipe Artur não tinha sido consumado. Ainda assim, ambas as partes inglesa e espanhola decidiram que uma dispensa papal adicional de afinidade seria prudente para eliminar qualquer dúvida sobre a legitimidade do casamento. E aí vem a primeira mulher.
     Henrique VIII preocupava-se com a estabilidade dinástica dos Tudor, pois, de seus cinco filhos com Catarina, apenas Maria sobrevivera. Já desde muito tempo desejava romper o casamento com Catarina de Aragão, mas somente o Papa poderia dissolver aquele liame político, o rei hesitava, porque era profundamente religioso, mas, quando se apaixonou por Ana Bolena, uma jovem, bela dama da corte e dama de honra da rainha, não teve mais escrúpulos. Já tendo essa dama de honra como amante, ele optou pelo divórcio em 1527, encarregando seu ministro, Wolsey, de obtê-lo junto ao papa Clemente VII, mas seu pedido foi recusado. Aí a segunda mulher.
     Em 1533, o novo arcebispo da Cantuária invalidou seu casamento anterior e Ana Bolena foi coroada rainha. Excomungado pelo papa, Henrique VIII conseguiu passa dois atos pelo Parlamento, em 1534: o primeiro negava a autoridade papal na Inglaterra; o segundo — o Ato de Supremacia — declarava a Igreja da Inglaterra uma instituição separada, tendo no rei seu chefe supremo (mais informações na parte sobre anglicanismo neste post).
     Ana Bolena teve apenas uma filha e a sucessão dinástica continuava sem herdeiro, por isso foi acusada de adultério, Ana foi executada em 1536. Alguns dias após a morte de Ana Bolena, casou-se com Jane Seymor (imagem ao lado). Então chega a terceira mulher, note a "galinhagem" em questão do indivíduo, ele acusou a esposa injustamente de adultério, fez com que fosse morta e alguns dias depois já estava casado de novo. A nova rainha, meiga e dócil, conseguiu que Henrique VIII aceitasse na Corte as duas filhas, nascidas de casamentos anteriores. Ela morreu após haver dado ao marido o tão esperado herdeiro, Eduardo, que, porém, viveu somente 17 anos.

     Então gente, hoje paro por aqui pois quando escrevi o texto inteiro falando de todos os casamentos deste indivíduo ficou muito grande (pra vocês verem como o cara era), então escrevo esse curto texto hoje e amanhã finalizarei falando dos casamentos restantes.

Parte 2

1 comentários:

Bruno JP Teixeira disse...

o loko meu!!!
esse cara gosta da coisa hein... rsrsrs

Abrçs.
Bruno JP Teixeira - O Portuga
http://brunojpteixeira.blogspot.com/

Postar um comentário

- Para evitar que seu comentário venha a ser excluído, leia a política de comentários do blog.
- Antes de fazer uma pergunta dê uma olhada na página de FAQ para ver se sua pergunta já não foi respondida lá.

Obrigada por comentar. Saber que minhas postagens são valorizadas por outras pessoas é o que me faz continuar com o blog