15 de mar de 2011

Avião Invisível

     Hoje tive aula de geografia e estávamos como estamos estudando sobre a Primeira e Segunda Guerra Mundial, meu professor foi comentar sobre as armas que foram feitas naquela época, e acabou falando que quando ele era mais novo, ficou espantado com uma notícia na televisão que dizia que os EUA haviam criado um avião invisível, e nos esplicou que na verdade o avião não invisível, ele só não é detectado pelos radares. Já tinha ouvido falar sobre esse tipo de avião, mas nunca tinha me ocorrido a ideia de falar dele aqui no blog, mas como meu professor comentou, achei legal pesquisar mais e escrever um post.

     O bombardeiro invisível, Northrop B-2A Spirit foi o resultado do programa ATB. Este programa teve de ser desenvolvido de forma discreta, pois a característica de invisibilidade não era conhecida pelo público, naquela época. Em novembro de 1988 a USAF (força aérea dos Estados Unidos), apresentou publicamente o primeiro B-2 na base aérea de Edwards. O desenho de asa voadora causou uma impressão aos espectadores sobre a possibilidade ou não daquele avião decolar, já que era um avião muito diferente do que se costumava ver. Mas testes posteriores não só provaram que o avião voava, mas que voava muito bem.

     Com o B-2, a força aérea americana tem capacidade de atacar alvos em qualquer parte do mundo sem ser rastreado, com precisão e eficiência. A primeira vez que esse bombardeiro foi usado foi num ataque contra a Sérvia que aconteceu em 1999 na operação força aliada.
     O avião é único e exclusivamente feito para a Força Aérea dos Estados Unidos e não pode ser adquirido de maneira alguma por qualquer outro governo, mesmo que aliado. O B-2 nunca foi abatido nem detectado em espaço aéreo inimigo. O único registro de um B-2 perdido se deve a um acidente no qual os aileron responderam com eficiencia excessiva na decolagem, danificando sua fuselagem. Os dois pilotos se salvaram do acidente.
     O custo unitário do bombardeiro B-2 Spirit gira em torno de 2 bilhões de dólares, sendo uma das máquinas de guerra aérea mais caras do mundo. Porém, se suas 150 toneladas fossem transformadas em ouro puro, não dariam um quarto desse valor.
     O avião já é uma lenda, pois seu legado havia se iniciado no fim da guerra do golfo, destruindo alvos essenciais como campos de pouso, defesas antiaéreas e até uma gigantesca fortaleza. Ele é da segunda geração de caças do tipo furtivo (stealth) produzido no mundo e o primeiro capaz de carregar bombas termonucleares.
     O segredo de sua "invisibilidade" é a combinação complexa de revestimento especial com design inteligente. Mas para conseguir passar despercebido não basta apenas escapar das ondas de rádio dos radares. Ainda é preciso ser silencioso, difícil de enxergar a olho nu e capaz de driblar sensores de calor.
     Em vez de ter asas e cauda, como os aviões comuns, o B-2 inteiro é uma espécie de asa voadora. Isso melhora muito sua sustentação no ar, economizando combustível e permitindo ao B-2 alcançar distâncias intercontinentais em curto tempo, mesmo com seu imenso peso de 150 toneladas. 
     Antes de sair pelos exaustores, o jato de ar gerado pelos motores e que impulsiona o avião à frente passa por dutos de refrigeração. Assim, o ar deixa a nave com temperatura quase igual à ambiente, despistando mísseis e radares que seguem rastros de calor. As partes metálicas do B-2, como os trens de pouso e os quatro motores a jato, ficam enterrados no meio do avião, onde não refletem as ondas do radar. Esse esconderijo também serve para abafar o barulho do motor.
     O formato esquisito do B-2 foi planejado para desviar as ondas de rádio para longe do radar que as enviou, evitando que elas retornem ao equipamento e indiquem a posição do avião. Além disso, a aeronave é recoberta por materiais não-metálicos e uma camada de tinta especial (de composição secreta) capaz de absorver uma parte dessas ondas de rádio, do mesmo modo que um objeto negro consegue absorver a luz. Graças à tintura misteriosa (que precisa ser renovada a cada vôo) e ao seu formato, o B-2 é identificado pelos radares como um objeto menor que um pequeno pardal e por isso nem aparece na tela.

2 comentários:

Any Brasil disse...

amei o post.
trendluxo.blogspot.com

Bruno JP Teixeira disse...

MUITO LOKO MESMO NÉ?!!!

ABRÇS.
BRUNO JP TEIXEIRA - O PORTUGA
http://brunojpteixeira.blogspot.com/

Postar um comentário

- Para evitar que seu comentário venha a ser excluído, leia a política de comentários do blog.
- Antes de fazer uma pergunta dê uma olhada na página de FAQ para ver se sua pergunta já não foi respondida lá.

Obrigada por comentar. Saber que minhas postagens são valorizadas por outras pessoas é o que me faz continuar com o blog